O Chef da Geração Y – parte I

A infra-estrutura da cozinha profissional criada pelos grandes chefs como Carême, Escoffier, Parmentier e Dubois, dá hoje padrão de qualidade, controle nos processos, hierarquia e organização para quem usa em seu estabelecimento. Mas isto requer dedicação, trabalho e suor a quem aplica.

Conhecer e respeitar o passado nos ajuda a entender o presente e desenvolver o novo, disse meu primeiro chef Gerhard Hograefe – chef do restaurante Alter Wartesaal em Colônia/Alemanha, ha 15 anos.

Este pensamento precisa ser relembrado durante a educação, pois estamos com várias instituições com cursos profissionalizantes, que entregam ao mercado recém formados que muitos possuem pouca experiência técnica e querendo atuar como chefs sem nem mesmo se submeterem à hierarquia e aos trabalhos pesados da cozinha profissional.

“Acostumados a conseguirem o que querem, não se sujeitam às tarefas subalternas de início de carreira e lutam por salários ambiciosos desde cedo, assim são chamados a geração Y” (Wikipedia).

Trabalho em equipe

Trabalho em equipe - base para o bom resultado

Este é um assunto grande e novo que abrange acima de tudo estudo sobre as relações sociais. Hoje a o chef da Geração Y é o funcionário almejando uma acensão rápida em seu status, porém como ele vai ser um líder se não tiver experiência?

 “Lidar com as características à primeira vista intratáveis dessa nova geração é um dos grandes desafios para empresas de todos os setores, em todos os lugares do mundo. “Hoje as companhias têm de renovar os vínculos com o pessoal, mas a tarefa é mais complicada quando se trata dos jovens da Geração Y”, diz Renato Guimarães Ferreira, professor da Fundação Getulio Vargas de São Paulo especialista em recursos humanos” (Por Márcia Rocha – portal exame).

A questão é como o chef da Geração Y se encaixa num sistema que necessita trabalho em equipe, dedicação, persistência e submissão a hierarquia e principalmente a processos muitas vezes longos e repetitivos. Ou está na hora de revermos os conceitos e estrutura da gastronomia?

Vou estudar mais e retorno no próximo post.

Abraços, Chef Heiko 

Anúncios

2 Respostas para “O Chef da Geração Y – parte I

  1. Leandro Augusto Camara

    Realmente este perfil atribuído a geração Y bate de frente com a hierarquia e trabalho de equipe necessários na cozinha…. porém Instituições sérias, como o Senac, fazem questão de deixar bem claro aos pretendentes a Chefs, que já no próprio curso terão que lidar com as questões não tão “nobres” da gastronomia, como lavar os utensílios, recolher o lixo..etc. Como em toda a trilha, muitos vão ficando pelo caminho, mas os que ficam certamente contribuirão para que haja uma maior profissionalização e valorização dos profissionais da cozinha no país…..

    Leandro Augusto Camara – Aluno do curso de Cozinheiro Chefe Internacional- Senac / Santo Amaro

  2. realmente concordo com o tema mais precisamos ser respeitados tambem com nossas ideias e aprendizado não so na faculdade como de vida em outros restaurantes,nem todos aceitam,suas ideias,carregar sacos de cebola,batatas pimentoes tomates,isso não e nada para quem produz com amor,duro e não olharem com respeito .
    carlos teyo -aluno de gastronomia centro universitario BARAO DE MAUA,RIBEIRAO PRETO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s